Projetos


PLANO DE TRABALHO – 2011

CONSTATAÇÃO:

 De acordo com Márcia Elizabeth dos Santos – psicóloga, psicodramista, coordenadora pedagógica nacional da Pastoral da Mulher Marginalizada, com a qual concordamos: “Um senso comum alimenta a idéia de que a prostituição é revestida de glamour, facilidades, prazer constante. No entanto, conforme vamos adentrando a este universo, percebemos uma realidade bastante sofrida e cruel a que estão submetidas as mulheres que fazem prostituição. E bem entendido: a prostituição feita por mulheres pobres, com baixa escolaridade, analfabetas, não a prostituição de luxo, que tem uma outra forma de funcionar. (…) Também não é fácil estarem submetidas à violência física de alguns clientes, de cafetões, de cafetinas, da polícia, da violência social e, talvez, da violência mais cruel, a das pessoas que olham com um olhar duro, de reprovação para elas. Esta sim, fere, não somente o corpo, mas a alma, a autoestima. (…) É preciso, a cada abordagem, ir tecendo o vínculo com cuidado, acolhimento e amor; é preciso ter paciência, dar tempo ao tempo para este vínculo se solidificar ao ponto de confiarem suas mais íntimas vulnerabilidades, seus sonhos, seus desesperos e desesperanças. E é aí que, então, se abre para nós o universo do passado, das relações familiares, de feridas não curadas da infância e adolescência, de abuso sexual e violência, de pobreza extrema, de falta de orientação que possibilitaram a entrada de algumas mulheres na prostituição. (…) Algumas sucumbem, desenvolvem doenças físicas e psiquiátricas. (…) Entendemos que o preconceito que alimenta a sociedade em relação à prostituição é consequência de uma desorganização social, econômica e política.  Se assim não fosse, por que tantas mulheres pobres e sofrendo física e emocionalmente na prostituição? (…) Ser escutada é para elas olhar-se no espelho e ver a si mesma aquém do que sonhou um dia, mas também enxergar o que ainda é possível fazer pela vida que se vive e transformar frustrações e culpas em alegria e realização pessoal. (…) O vínculo que se estabelece entre nós e elas permite-lhes que percebam que o principal movimento de mudança depende delas mesmas. (…) Nós somos o fator externo motivador, um instrumento facilitador. E juntas poderemos dar esses passos, apesar de inseridas num contexto sociocultural que dificulta este processo de mudança. (…) Assim é fundamental fortalecermos a autoestima dessas mulheres e valorizarmos cada conquista delas, como por exemplo, aprender a ler e escrever, concluir o ensino médio, conseguir pagar o INSS, aprender algum tipo de artesanato. E acreditamos que a principal reflexão que fica para nós deste vínculo estabelecido com as mulheres em situação de prostituição e de nossas abordagens a elas é que, parece, há destinos que foram impostos pela vida e que há vidas vividas com mais sacrifícios e dificuldades que outras vidas. No entanto, na mesma proporção destas forças que fragilizam o existir, existem outras forças de resistência e de inconformismo, a exemplo destas mulheres que não se contentam em viver à margem e na prostituição. Elas querem ser o que sonharam quando crianças e meninas, que acreditavam que a vida poderia lhes oferecer mais”.

Metas:

  • Manter o atendimento a 52 mulheres e 76 crianças e adolescentes – filhos e/ou netos das mesmas – com capacidade de ampliação para mais 20 mulheres.
  • Encontrar uma forma de contato com mulheres que se encontram em boates de prostituição

Atividades previstas para as mulheres:

  • Encontros semanais de reflexão e vivência.
  • Cursos de: alfabetização, noções de matemática, culinária, preparação para empregada doméstica e trabalhos terceirizados de faxina, cabeleireiro, manicure e pedicure, bordado, crochê, tricô, pintura em tecido.
  • Participação em projetos municipais que criem relações novas de inclusão.
  • Palestras informativas (DSTs, cidadania, políticas públicas…).
  • Encaminhamento na área de saúde. 

Atividades previstas para crianças e/ou adolescentes:

  • Cursos de reforço escolar em Português e Matemática.
  • Acompanhamento nos deveres escolares.
  • Digitação.
  • Curso de caiaque, para os adolescentes, no Parque da Cidade, com orientação sobre os caminhos para uma vida saudável, através da parceria com o Lions Clube Jundiaí Oeste.
  • As crianças poderão participar dos cursos de artesanato e os adolescentes, além dos cursos de artesanato, dos cursos de cabeleireiro, pedicure e manicure. 

Resultados previstos:

  •   Reinserção social e fortalecimento da mulher com condições de reagir diante das adversidades do cotidiano com equilíbrio.
  • Enfrentamento da violência, exigindo seus direitos e fazendo cumprir a Lei Maria da Penha.
  • Conscientização e trabalho de prevenção da exploração sexual.
  • Preparação e fortalecimento dos filhos e/ou netos, a fim de que não necessitem adentrar ao submundo da prostituição para a sobrevivência.
  • Ocupação da criança com atividades lúdicas para o seu desenvolvimento social, emocional e da imaginação.

    PASTORAL DA MULHER/ ASSOCIAÇÃO “MARIA DE MAGDALA”

Diocese de Jundiaí – SP

C.G.C 01217945/0001-22

Declarada de Utilidade Pública – Lei 4.906/96

Rua Senador Fonseca, 517 – Fone (011) 4522-4970

13201-789 – JUNDIAÍ-SP

 

PROJETO DE EVANGELIZAÇÃO – 2011

JESUS REVELA O PAI A SÃO JOÃO EVANGELISTA

 

Exercícios Espirituais de Santo Inácio de Loyola – Princípio e Fundamento

 

Proposta: Deus e seu Projeto de Mundo

 

Vida: a partir de Deus Criador. Para acontecer como: vida filial, vida de senhorio e liberdade, vida fraterna, vida na verdade. Verdadeira vida.

 

Resposta: acolhida na Fé do Projeto de Deus. Certeza racional e afetiva de amor de Deus.

 

“Ninguém jamais viu Deus, o Filho único que é Deus e está na intimidade do Pai, foi quem O revelou”. (João 1, 18)

 

Assessor espiritual: Pe. Gian Carlos Pereira – Congregação dos Oblatos de Maria Virgem

 

 

Foco: Palavra: Deus e Seu Projeto de Vida Verdadeira:
  1. 1.   Palavra que sopra a brasa e a faz crescer./ Movimento em direção a Deus.
Jesus, Palavra de Deus.  Vida: Projeto de Deus Criador. 

Meditação.

  1. 2.   Existe para o outro./ A Lua não é fonte de luz, mas reflete a luz./ A luz é vitória sobre as trevas.

Nasceu de um milagre.

Testemunho de João Batista (1, 19-34 e 3, 22 – 36)  Vida: na verdade. 

Contemplação.

  1. 3.   Água para o vinho./ O relacionamento pode ficar sem sabor e pode ficar turvo, se Cristo não for convidado./

Maria sabe o que nos falta e intercede por nós.

As bodas de Caná (2, 1- 12)  Vida: fraterna. 

Desolação.

Consolação.

  1. 4.   Nascimento do alto, que foi possibilitado por O do alto ter vindo à terra./ Para libertar-se do pecado, a maior  poluição que asfixia o coração humano, é imprescindível a presença do Espírito que, através de Jesus, entra em cena como agente regenerador.
Visita de Nicodemos (3, 1-21)  Vida: verdadeira. 

Deixar as coisas.

  1. 5.   Água pura, cortada de sua nascente, não tardará a apodrecer./ Representa a multidão de mulheres e homens que são discriminados. /Se há alguém com sede, ele está pronto para dar a água que tem o poder de saciar a sede./ A fé em Jesus nasce do testemunho e do contato pessoal com Ele.
Jesus e a Samaritana (4, 1- 45)  Vida: verdadeira. 

Discernimento.

  1. 6.   Indiferença ao homem que era paralítico, por ser no sábado.
Cura do paralítico (5, 1 – 18)  Vida: fraterna. 

Desolação.

Consolação.

  1. 7.   Um povo que não é cuidado. /Não há líderes políticos nem religiosos querendo saber dessa multidão que não tem o que comer./ Jesus cuida a partir da realidade do próprio povo. Traz-nos a realidade do acolhimento.
Multiplicação dos pães e dos peixes(6, 1 – 13)

 

Vida: fraterna. 

Contemplação.

  1. 8.   Intervenção milagrosa que O deu a conhecer aos seus discípulos, livrando-os da morte.
Jesus anda sobre as águas (6, 14 – 21)  Vida: de liberdade. 

Deixar as coisas.

  1. 9.   Misericórdia é a divinização do ser humano./ Onde enxergamos o mal, Jesus vê uma desgraça que deve ser curada./ O olhar dEle confere a ela outra oportunidade. É a esperança.
A mulher adúltera (8, 1 – 11)  Vida: fraterna. 

Desolação.

Consolação.

  1. 10.         Lama com a saliva. Nessa saliva existe Seu sopro e Sua Palavra./ Lama é a própria humanidade.
Cura do cego de nascença (9, 1-23)  Vida: filial. 

Contemplação.

  1. 11.         Pastor do ser, não proprietário ou mercenário. /Jesus não tem nojo de suas ovelhas./ Porta: o muro nos impede de ver, de conhecer, de ir mais longe. Em Jesus Cristo encontramos passagem.
O Bom Pastor (10, 1- 21)  Vida: filial. 

Contemplação.

  1. 12.         Unidade do Filho com o Pai: unidade de amor e obediência. O Pai Lhe deu o poder para salvar, para dar a vida./ Ele tem autoridade de Salvador.
Identidade de Jesus com o Pai ( 10, 22 – 30)  Vida: filial. 

Meditação.

  1. 13.         Retirar a pedra do que está em nós cheirando podridão.
Ressurreição de Lázaro ( 11, 1- 45)  Verdadeira vida. 

Desolação.

Consolação.

  1. 14.         Reconhecimento de Jesus como Rei-Messias./
Maria unge o Senhor ( 12, 1 -11)  Vida: de liberdade. 

Deixar as coisas.

  1. 15.         Quem tem o poder, de fato, é aquele que tem o poder de servir./ A vida de Jesus é uma surpreendente história de amor. Um amor que primeiro cuida, depois orienta./ A ausência do amor traz os piores sentimentos: a inveja, o orgulho, a prepotência, o desrespeito, a injustiça.
Jesus lava os pés aos Seus discípulos e o mandamento novo ( 13, 1-38)  Vida: fraterna. 

Meditação.

  1. 16.         Caminho, Verdade e Vida./ Intercessor no Céu para nossa salvação.
Jesus revela o Pai ( 14, 1 – 14)  Vida: filial. 

Meditação.

  1. 17.         Não nos deixa órfãos./ Cuidador.
Promessa do Espírito Santo ( 14, 15 –21) Vida: filial. 

Meditação.

  1. 18.         Ligação com a vida./ Viver  a vida da graça.
A videira e os ramos ( 15, 1 – 8)  Verdadeira vida. 

Contemplação.

  1. 19.         O Pai teve a iniciativa do movimento do amor e, por amor, enviou o Seu Filho pelos e para os homens.  O Filho aceita essa missão e leva aos homens essa corrente de amor.
A Lei do amor ( 15, 9 – 17)  Vida: fraterna. 

Deixar as coisas.

  1. 20.         A glorificação do Pai consistiu em que Jesus O desse a conhecer.
Oração sacerdotal de Jesus ( 17, 1 – 26) Vida: filial. 

Meditação.

  1. 21.         Amor e salvação./ Todo aquele que contempla Jesus com fé recebe os frutos de sua paixão, assim como o bom ladrão.
Prisão, flagelação, coroação de espinhos, crucificação, morte e sepultura de Jesus ( 18 e 19) Vida: de liberdade e fraterna. 

Contemplação.

  1. 22.         Experiência pessoal de Maria Madalena.
O sepulcro vazio e a aparição a Maria Madalena ( 20, 1- 18)  Verdadeira vida. 

Discernimento.

  1. 23.         Para que a vida surja, é preciso que a morte seja removida.
Jesus aparece aos discípulos ( 20, 19 – 31)  Verdadeira vida. 

Contemplação.

  1. 24.         Acolher o que Jesus indica.
A pesca milagrosa (21, 1 – 14)  Verdadeira vida. 

Discernimento.

  1. 25.         Jesus não escolheu homens perfeitos. / O medo de Pedro foi vencido com a chegada do Espírito Santo.
O Primado de Pedro ( 21, 15 – 23)  Verdadeira vida. 

Meditação.

 

Observações:

Meditação: sentimentos, emoções.

Contemplação: vejo-me dentro.

Desolação = maus espíritos.      Consolação = bons espíritos.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s